O VAZIO NA MÃO

Banda Sonora do filme - Cidade Vazia

CRÍTICA

A bofetada de Maria João.
Na cidade vazia só não enche de vergonha a casca grossa da sociedade.
No velho império e novo atlântico foi exibida a primeira película angolana de 33mms.
Curiosamente, a primeira mulher angolana a realizar um filme, maria joão ganga faz o
favor de colocar em tela, uma realidade dos quotidianos atribulados de uma urbanidade
que teimamos por afecto, chamá-la de cidade.

Chamar de filme, talvez faça confundir quem nos ouve com as produções comerciais
holywodescas, a obra que em nossa opinião não persegue sucesso pelas vendas mas
reconhecimento pelo mérito de traduzir em sétima arte o faz de conta em que vivemos.

É realmente a cidade e a vida. Cheio de hipocrisia, de rasgada petulância, de tratante
benfeitorias de quem ajuda em troca de publicidade/pratica comum a certa gente
promovida dos nadas para as orgias que o dinheiro infelizmente ainda permite mas que
não brilha por muito tempo.. felizmente.

É a criança traduzida em miúdo, em refugiado em lava-carros e em criado, o
personagem escolhido pela realizadora como o símbolo social da injustiça e que é o
barómetro da temperatura, entre um talvez amanha, se amanha houver e amanha será
tarde.
Nota positiva para o filme que melhor que qualquer reportagem de tv , apresenta mil e
um planos de uma Luanda desarquitectada e real(?), onde o lógico já deu lugar ao
ínpensável, num sulurele ou matonguee traduzidos em "roques- bolsas" e gestação da
vida económica.

Vale a pena ver e viver cidade vazia.
Só não o sente a bofetada de Maria João quem não sente.

 

FICHA TÉCNICA

“O VAZIO NA MÃO”
NÉ GONÇALVES

BANDA SONORA DO FILME “NA CIDADE VAZIA”,
DA REALIZADORA ANGOLANA
MARIA JOÃO GANGA

Ficha Técnica:
Autor, Compositor e Intérprete: Né Gonçalves
Saxofone Soprano: Nanutu
Guitarra: Nelo de Carvalho
Violino: Tó Barbosa
Gravação, Mistura e Masterização: Estúdio MDL

(Portugal), 2004